Translate

17 de jul de 2013

Recordações que nunca serão esquecidas. (Meu Primeiro Programa)

Aos meus 15 anos de idade (Primeiro Programa)
Em Porto Ferreira-São Paulo, aos meus 15 anos de idade, desempregada e necessitada de dinheiro, acabei entrando na vida da Prostituição. Recordações que nunca serão esquecidas.
Conduzida por uma "Amiga", saímos para conversar, sem ao menos saber o que iria acontecer naquela noite. Chegando no local, fui apresentada, pela primeira vez, a um ponto de prostituição. A principio, não era nada do que eu esperava, recebi as primeiras orientações, vindas de minha "Amiga": chupeta R$ 10, sexo R$ 20, motel R$ 50 reais (Sexo apenas com camisinha). Indignada e inconformada com a situação e os valores, me calei.
Lá estava, em uma esquina fria e sombria "sozinha". Uma caminhonete parou e fui atender o cliente, sem jeito e sem postura de uma mulher (na época, ainda era um "moleque de saia").
- Sim, pois não?
- Vamos fazer um programa?
- Sim!
- Quanto?
- São 50 reais no carro! (eu sabia que deveria ter cobrado R$ 20, mas achei muito pouco e cobrei R$ 50 mesmo)
- Entra!
No meio do caminho, me perguntou:
- Você tem camisinha?
sem graça respondi:
- Não moço, nunca fiz programa, nem sei colocar uma camisinha!
Educadamente ele falou que estava tudo bem e que iria comprar. Compramos a camisinha e fomos para o local de minha preferencia.
Chegando no local, ele abaixou sua calça, e com minhas mãos comecei a toca-lo, me abaixei e comecei a mamar em seu cacete, seu pau era simplesmente nojento. Me tomou, em seus braços, me colocando de bruços no banco do carro, arredou minha calcinha para o lado, cuspindo em meu rabo. Vagarosamente introduziu seu pênis em meu ânus, me fazendo sentir muita dor e incomodo. Naquele momento, queria gritar e chorar, mas ali fiquei por alguns minutos, até sentir aquele Velho e Gordo se estrebuchando e gozando dentro de mim.
Me vesti e sem pronunciar uma palavra, entrei no carro, recebi o valor combinado. Ao descer do carro, sentei no chão e comecei a chorar. Naquele momento sentia nojo de mim mesma, raiva, ódio, nunca pensei que um dia aquilo poderia acontecer comigo.
Cabisbaixa voltei para casa limpando as marcas deixadas em meu corpo e as lágrimas que ainda caiam do meu rosto. Apesar de tudo eu decidi meu destino, não iria desistir, não antes de conseguir uma boa grana e ter oportunidades melhores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário